Taking too long? Close loading screen.

Intrepidez para vencer o inimigo

0

Em Atos 3:1-8 a Bíblia descreve a cura de um paralítico na porta do templo, através da vida de
Pedro e João. O homem curado se apega aos apóstolos e passa a andar com eles. Logo, uma
multidão se reúne por conta do milagre e Pedro aproveita a ocasião pra pregar (Atos 3:11-12).
Quando Pedro pregava, vieram os sacerdotes e algumas autoridades, que se ofenderam com o
que estava acontecendo e mandaram prender a Pedro e a João. No dia seguinte, trazem os dois
para uma espécie de interrogatório.

A bíblia diz que eles “se doeram muito” pelo que os apóstolos estavam fazendo. Quando na
verdade eles estavam apenas fazendo o bem através da cura e da pregação da palavra da salvação.
Isso acontece nos dias de hoje, muitas pessoas, descrentes, autoridades (até parlamentares) se
doem em saber que estamos pregando a palavra, que o e evangelho está sendo disseminado e que
vidas estão sendo curadas.

Observamos na palavra que as leis e as autoridades da época rejeitaram a Jesus. Hoje em dia,
as leis também estão sendo preparadas para rejeitar a Jesus ou para que as famílias e as crianças
passem a rejeita-lo. Com o pretexto de defender as minorias ou/e em busca de uma suposta
igualdade, o nome de Deus e de Jesus tem sido afrontado todos os dias.

Através de Jesus, Deus resgata toda a humanidade de volta para seus caminhos. Todavia,
Satanás sabendo disso, usa de todas as formas pra que o povo não ouça sobre Jesus. Ele usa até
mesmo as autoridades, a política, as leis, os métodos de ensino nas escolas, os filmes, as novelas…
Nós, como povo santo e escolhido por Deus, precisamos nos posicionar como a igreja primitiva:
com intrepidez.

Em Atos 4:9, fica claro que eles foram inquiridos simplesmente por fazerem o bem e isso nos
gera algumas questões:

– Qual era a acusação sobre eles?

– Qual foi o crime que eles cometeram? – Foi curar? – Foi pregar a salvação através de Jesus?
Eles estavam sendo acusados por fazerem o bem, os valores foram invertidos (Isaías 5:20). Da
mesma forma: – Qual é a acusação da igreja dos dias de hoje?
– Porque nos reunimos pra orar e cultuar ao nosso Deus? – “Nos acusam de fazer muito barulho”.

– Porque defendemos o nosso direito de sermos cristãos e não aceitamos que enganem nossos
filhos com falsos ensinos nas escolas? – “Dizem que somos extremistas”.

– Porque entregamos folhetos com palavras que mudam a vida das pessoas? – “Somos chatos,
intrometidos”.

– Porque defendemos o modelo de família criado pelo Deus ao qual nós servimos? – “Somos
retrógrados”.

Se nós cristãos, nos posicionarmos e defendermos aquilo que acreditamos, sabe o que vai
acontecer? Atos 4:13-14 – Ninguém poderá nos acusar, nem Satanás nem os seus poderão nos
acusar, porque maior é o que está em nós. Aquelas autoridades perceberam que Pedro e João eram
iletrados, mas tinham intrepidez, eles estavam convictos do que falavam e hoje nós precisamos ter
essa mesma intrepidez que a Bíblia diz.

Porém, mesmo sabendo que não poderiam acusar os apóstolos em nada, aquelas autoridades
não desistiram – Atos 4:16-18. Veja a lógica deles: Eles NÃO PODIAM NEGAR, o sinal que foi feito
(o bem ao homem através da cura), mas mesmo assim eles não queriam que o nome de Jesus
fosse divulgado. Hoje em dia, a sociedade, as autoridades, os ativistas, não podem negar o bem
que a igreja proporciona pra sociedade, o bem que o evangelho faz na vida das pessoas, das
famílias… mas mesmo assim eles lutam para nos calar. Atos 4:19-20.

Ao final, Satanás não poderá nos acusar, porque o nosso advogado é Cristo e o nosso objetivo
estará cumprido, ou seja, todo o povo glorificará ao nosso Deus. SE A IGREJA SE POSICIONAR,
SATANÁS NAO PODERÁ NOS CALAR.

Atos 4:24-31 diz que muitos, reis e autoridades sempre tentaram se levantar contra Deus e o
seu Ungido, porém ELE VENCEU e nos dias de hoje também nos dará a vitória, mas para isso,
precisamos nos manter firmes, defendendo os interesses do Reino, não negando a nossa fé diante
de homens comuns nem de autoridades, e pregando a palavra com intrepidez.

Deixe uma resposta