Taking too long? Close loading screen.

Fazendo escolhas certas

0

I Samuel 8:5-9

Estamos diante de um texto extremamente rico de informações, que merecem ser estudadas de forma cuidadosa.

1 – Deus elegeu um povo.

A escolha por Israel não foi por acaso. Esta nação foi escolhida para ser uma nação santa, separada e única dentre todas as nações. O desejo de ter um rei era totalmente oposto ao plano original de Deus. O erro não era querer um rei, mas os motivos para querer tê-lo.

É impressionante como a opinião dos outros, os valores dos outros, ditam nossas atitudes e comportamentos. As pessoas fazem escolhas erradas para imitar “todo mundo”. “Todo mundo tem um rei”, “todo mundo faz isso ou aquilo”. Temos que ter muito cuidado com esse “todo mundo”, para que os valores de seus amigos, seus “heróis” não o afastem de Deus e de Sua Palavra. Ao querer ser como os incrédulos, o povo de Deus está caminhando rumo ao desastre espiritual, ou a morte.

2 – Forma de governo.

Até então, Israel estava sendo governado por Deus (governo Teocrático). Todas as diretrizes, leis, mandamentos, acompanhamentos e até suas guerras eram feitas de forma sobrenatural. No entanto, os anciãos (líderes que testemunharam tudo) procuraram o profeta Samuel (vs.6) para pedir um rei. Que motivos tinham para querer um rei?

2.1. Os filhos do profeta Samuel não eram adequados para o cargo, eram corruptos e avarentos (vs.3);

2.2. As 12 tribos, cada uma elegeu seu líder e território, gerando problemas de relacionamento (esperava-se que o rei uniria a todos novamente);

2.3. Queriam ser como as outras nações – o que Deus não queria;

2.4. Ter um rei os levaria a se esquecer de Deus e de tê-lo como o único Deus verdadeiro; A rejeição a soberania divina;

2.5. Queriam leis, um exército e um rei no lugar do Senhor. Por quê? Porque queriam guerrear/governar na força humana. Até então suas guerras eram ganhas de forma sobrenatural, com uma clara intervenção divina.
2.6. O povo pensava que só o fato de mudar o sistema de governo provocaria uma mudança na nação. Só que não. O problema era desobediência à Deus. O que eles precisavam não era somente unir as tribos numa regra uniforme, eles precisavam de uma fé unificada. A prova disso é que os reis que fizeram o que era mal aos olhos do Senhor trouxeram muitos transtornos para o povo internamente e muitas guerras para os povos ao redor.
Nossa obediência é falha. Pedimos a Deus que conduza nossa vida pessoal, familiar, e continuamos a viver “como todo mundo”, padrões e comportamentos reprováveis. Deus consolou o profeta, dizendo que a rejeição não foi a ele ou a família dele, mas sim a Deus. E Samuel explicou cuidadosamente todas as consequências negativas de se ter um rei (vs.11-18), mas os israelitas se recusaram a dar ouvidos. Nossas decisões não podem ser tomadas de forma leviana, impensada, temos que avaliar os prós e os contras, e considerar as pessoas que podem ser afetadas pela nossa escolha.

Aqui vemos a diferença de servir ao Rei dos reis e a um rei humano. Deus agiu através do seu filho Jesus, trouxe libertação, nos fez livres para andar, trabalhar, viver, estar em família, e mais uma vez os homens buscaram a escravidão; a natureza escrava sempre nos chama para viver numa senzala, sem direitos, vontades e sem liberdade.

REJEIÇÃO – Esta tem sido muito mais que uma palavra, mas uma atitude de muitos que, como os israelitas, tem deixado Deus para viver “como todo mundo”. Não largam o pecado, a velha vida, tomam decisões sem considerar a opinião de Deus.

Mudança de governo é algo extremamente sério. O futuro de uma nação está em jogo. Não se precipite nas escolhas porque “todo mundo” está dizendo. Seu voto muda destinos, tanto o seu quanto o da sua descendência. Somos responsáveis pelas mudanças hoje, para nos tornarmos ou não escravos no futuro.
A escolha de um rei os levou a voltar a viver a escravidão. Agora tinham que viver em função dele, os filhos seriam levados para servir no palácio, no exército, passar meses fora de casa, sem convívio familiar, sem a busca real e direta de Deus. E são justamente essas escolhas que Deus não queria para o Seu povo. Estar com Deus é infinitamente melhor do que servir a Deus. Ele não nos chamou para ser escravos de um sistema, mas livres para servi-Lo. A obra redentora da cruz do calvário foi para arrancar-nos da escravidão do pecado e nos trazer para a liberdade – de expressão, de escolha – porém rejeitamos isso e corremos de volta para a escravidão… queremos um rei. Hoje Jesus te chama mais uma vez para viver a liberdade! Ter o prazer de ser livre e poder crescer e prosperar na dependência exclusiva Dele.

Deixe uma resposta