O Altísimo na Área Financeira

[social-share-display display="1561552678" force="true"]

Êxodo 25:2

A essência de Deus é o amor. Temos conhecimento que devemos buscar o amor de Deus e tudo o que vamos fazer está relacionado ao amor que temos a alguém ou a Deus. Amar deve ser uma atitude. Devemos praticar o amor em nossos relacionamentos.

Jo.12:3-5 – O resultado do amor de Jesus no coração de Maria a levou a perder a noção de valores. O amor levou-a a derramar nardo nos pés de Jesus. O que tinha de mais precioso naquele ambiente não era o nardo eram os pés de Jesus.

Existem alguns princípios que precisamos aprender, pois são preciosos:

1 – Nada precisa ser pedido.

Deus sabe todas as nossas necessidades. Pedro estava lavando as redes e Jesus entrando no barco dele pediu que afastasse da praia. O detalhe é que Jesus não pediu o barco para Pedro, porque Ele não precisa pedir coisa alguma. Quando Deus nos entrega algo, não é nosso, é Dele e pertence a Ele.

Não precisamos pedir nada porque tudo o que precisamos está nas mãos do Senhor. Se entendermos a proposta e o amarmos, devolvemos o que é do Senhor (o dízimo).

2 – Para o dizimista só existe o tudo.

Não é muito e nem pouco, é tudo. Não adianta querermos enganar a Deus. I Re.17:15 – A viúva deu tudo. A viúva deu o seu tudo primeiro para Deus, para o profeta. Precisa-mos aprender a ser ‘tudistas’, dar tudo.

Mc.12:44 – todos deitavam o que lhe sobejavam, mas a mulher viúva deitou tudo o que ela tinha, todo o seu sustento. Tudo o que temos é do Senhor, não é nosso.

Precisamos entender que o Senhor vai usar todo o patrimônio que está nas nossas mãos para o Reino. Quanto mais aplicarmos em almas, mais o Senhor acrescentará no nosso patrimônio e no nosso galardão.

O que Pedro tinha? Ele tinha o barco, mas não tinha o essencial: o peixe. O barco de Pedro era o tudo dele.

3 – O ‘tudista’ reconhece o seu Senhor até no seu trabalho.

Se quisermos ser ‘tudistas’, então precisa-mos: Ir para os pés de Jesus e reconhecê-lo como nosso pastor e nosso líder.

4 – Deus conhece o nosso tudo.

Mc.8:14-15 – Os homens foram para o barco, mas não levaram a provisão. Mesmo que não contemos com Jesus, Ele nos abençoa porque nada vai impedir o projeto de Deus nas nossas vidas.

Deus quer alargar o nosso entendimento acerca do nosso potencial. Hoje, podemos fazer uma escolha: se queremos o melhor ou o pior. Quanto mais recebemos mais podemos dar.

5 – O ‘tudista’ sabe que o nosso tudo é Dele, mas o tudo Dele é nosso.

Mt.15:32 – Jesus tinha compaixão da multidão. Deus não quer que passemos necessi-dades, privações ou que fiquemos endividados. Deus está aberto a nos alimentar para que não desfaleçamos. Não podemos temer. Jesus tem todo o interesse em nos abençoar.

“Faze-te a largo e lançai“ – depois que Pedro obedeceu ao comando sem questionar, ele afastou o barco e passou por outra prova maior. Pedro renunciou o seu conhecimento sobre barco e sobre lançar as redes; ele nem considerou que quem estava dando as ordens era um carpinteiro, somente obedeceu.

6 – O ‘tudista’ usufrui do conhecimento de Deus.

Eles pegaram tantos peixes, o que fizeram para que não rompesse as redes? A rede representa um corpo. O meio pelo qual Deus abençoa é pelo corpo. Deus só dá de acordo com a nossa capacidade de reter. Jesus sabia qual era o meio para que sua rede não rompesse: a nossa unidade e comunhão.

Quando Pedro começou a puxar a sua rede ele começou a sentir o peso e então ele chamou os outros que estavam no outro barco. As redes não se romperam porque Pedro dividiu. Ele pediu ajuda e chamou os outros barcos. Pedro dividiu a bênção com outras pessoas e então a rede se fortaleceu. Os peixes começaram a se multiplicar dentro da rede. A nossa capacidade de dividir o que estamos recebendo é a chave.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Veja outros

Agenda da Semana
Send this to a friend