Taking too long? Close loading screen.

Graça, o favor de Deus

0

I Samuel 1:7-8

A história de Ana é muito conhecida no meio cristão, muito pregada mostrando a aflição de uma
mulher estéril. Ana era esposa de Elcana, que também tinha uma outra mulher, chamada Penina –
seu nome quer dizer “pedra preciosa”, mas esta não se sentia amada pelo esposo como Ana.
Quero falar hoje sobre esterilidade. Quando Deus decidiu escolher um povo, foi para que Ele
mostrasse a Sua gloria nessa terra. Penina é aqui uma figura de Israel, uma “pedra preciosa”
extraída da Rocha, nascida de um povo escolhido. Penina gerou filhos, mas o coração de seu
esposo não estava feliz. Por quê? Afinal, ela lhe dava filhos. Por causa do seu comportamento. Os
filhos não eram frutos para alegrar o coração do pai ou para andar com ele, tanto que não encontrei
nenhum relato sobre o futuro destes filhos, o que aconteceu com eles, pra onde foram e o que
fizeram.

A realização de Penina era tê-los tão somente para irritar o coração de Ana, humilhá-la e lhe
provocar ciúmes. Eram atitudes levianas. Israel, mesmo sendo uma nação escolhida pelo Senhor
seus frutos, sua descendência não perseverou em andar nos caminhos de Deus, estavam sempre
fazendo o que era mal aos olhos do Senhor.

Elcana é uma figura de Jesus, que se preocupava em conduzi-los a presença de Deus. Vs.3 diz
que: “Este homem subia de sua cidade de ano em ano a adorar e a sacrificar ao Senhor dos
exércitos em siló…” Elcana levava sua família para casa do Senhor., ele sabia que na casa do
Senhor teria a resposta que buscava (vs.7).

A atitude de Penina irritava Ana, ela se tornou sua rival e a provocava excessivamente para a
irritar, por causa da sua esterilidade (vs.6). Muitas vezes vemos isso no meio do Israel espiritual,
que no caminho da casa do Senhor, irrita a “Ana” que não tem o que ela tem.

Quem é Ana nesta história? É a figura da Igreja invisível.

O povo de Israel, a “pedra preciosa”, fértil, próspera, saiu do propósito por não conseguir aceitar
que a esposa amada de Elcana (Jesus) é Ana (Igreja). Ela queria exclusividade, ela não aceitava
compartilhar o seu Messias com os gentios, ela não queria que os gentios tivessem herança e
zombava de Ana (igreja) porque sabia da preferencia de Jesus (Elcana), mas se regozijava com a
esterilidade dela.

Qual o papel de Ana, da igreja?

Ana chorava, jejuava (o texto diz que não comia), porque o seu amor pelo esposo não era
suficiente para gerar filhos, frutos. Muitas vezes não entendemos a situação que estamos vivendo,
mas Deus tem o controle de tudo. As provocações de Penina, os filhos que gerava, o que fazia,
despertou Ana a buscar resultados na sua vida. Muitas dificuldades, as vezes é porque nos
comparamos com outros. Apesar de ser contrária às comparações, o que vemos no outro deve
produzir um nós o efeito de saber que também podemos fazer, também podemos dar resultados,
também podemos apresentar nossos frutos, ainda que em outras áreas.

Israel foi o parâmetro para Igreja, para nos mostrar o nível da benção que vem sobre o escolhido
quando fazemos a vontade de Deus. Deus começou a olhar para Ana, para a Igreja, para que o Seu
proposito maior, mais excelente pudesse acontecer. Quando Elcana subia a Siló para oferecer o
seu sacrifício, dava a porção de Penina e de todos os seus filhos e filhas (não a desprezava,
continuava cuidando). Deus não desprezou Israel, estava com ele (vs.4). Vs.5 – “A Ana, porém,
dava porção dupla, porque ele a amava, ainda que, o Senhor a houvesse deixado estéril”. O choro
de Ana, incomodava Elcana. O teu choro (igreja) incomoda Yeshua. Ele pergunta porque choras?
Por que não comes? Por que estás de coração triste? Não te sou eu melhor do que 10 filhos? (vs.8).
Jesus quer saber qual o motivo de sua tristeza. Não te sou eu melhor…? Enquanto não
descobrirmos a importância Dele em nossas vidas, vamos continuar estéreis. A madre de Ana
(Igreja) estava fechada porque não podia ter filhos para competir com Penina, mas seus filhos
tinham que vir com o propósito correto de governo, para julgar Israel, conduzir o povo da forma
correta para Deus.

Se continuamos querendo crescer, multiplicar com a motivação errada, (ser reconhecido, ganhar
muito dinheiro, ser a maior igreja da cidade…) vamos estar como Penina, que tem filhos, mas não
tem o amor do esposo. O sacerdote disse a Ana (vs.17): “vai-te em paz, e o Deus de Israel te
conceda a petição que lhe fizeste”. Deus hoje quer liberar esta benção sobre sua vida, volte para o
propósito correto de gerar filhos para Deus.

 

Deixe uma resposta